Biografia do Padre Kentenich

Em 18 de novembro de 1885, em Gymnich, perto de Colônia, na Alemanha, nasce o Servo de Deus, Padre José Kentenich, Fundador da Obra Internacional de Schoenstatt.

Desde antes de seu nascimento, sua mãe o consagra a Maria. Aos nove anos de idade ele faz a sua consagração pessoal, colocando-se inteiramente ao dispor de Nossa Senhora.

Ainda adolescente, sente o chamado à vida sacerdotal. Em 8 de julho de 1910 é ordenado. Sente-se impelido a anunciar Deus como Pai atuante e presente na vida de cada ser humano. Ajudar o homem, por meio de uma autêntica devoção mariana a restaurar sua dignidade e conquistar sempre mais sua liberdade, como filho de Deus resgatado por um alto preço.

Como jovem sacerdote atua como professor e diretor espiritual no Seminário dos Padres Pallottinos, em Schoenstatt. Sua pedagogia gera uma confiança extraordinária que une os alunos e os conduz organicamente ao mundo sobrenatural. Indica-lhes constantemente a Maria, como modelo do verdadeiro relacionamento com Deus e da dedicação ao próximo.

 

Atento aos sinais de Deus.

Uma das características principais do Pe. Kentenich é conservar sempre “a mão no pulso do tempo e o ouvido no coração de Deus”. Seguindo os sinais indicados pela Divina Providência, em 18 de outubro de 1914, em meio a I Guerra Mundial, com seus alunos, sela a Aliança de Amor com Maria, suplicando-lhe que torne a pequena Capelinha do seminário, um Santuário de Graças e um centro de renovação religioso e moral para a Alemanha e o mundo.

Alguns desses alunos são chamados como soldados para a guerra e oferecem a própria vida a Deus, em holocausto pela frutuosidade da Obra que iniciaram com o Pe. José Kentenich. Após a guerra muitas pessoas chegam a Schoenstatt atraídas pela espiritualidade que conheceram nos campos de batalha. A Obra se expande além dos muros do seminário em grupos de famílias, sacerdotes, Irmãs, homens, mulheres e jovens.

No decorrer da segunda guerra mundial a Obra é perseguida pelos nazistas. Pe. Kentenich é preso e detido por mais de três anos no Campo de Concentração de Dachau. Nesse local, em meio a grande perigo de vida, continua a edificar sua Fundação por meio de conferências e correspondências irregulares. Sob a proteção da Mãe e Rainha Três Vezes Admirável de Schoenstatt, nesse “inferno de Dachau”, realiza a Fundação de dois Institutos Seculares: dos Irmãos de Maria de Schoenstatt e das Famílias de Schoenstatt. É liberado do Campo de Concentração em 1945, e logo inicia as viagens mundiais, aos países onde sua Obra estava se edificando. Por dez vezes visitou o Brasil.

Inquebrantável e fiel amor à Igreja.

Padre Kentenich é recebido em audiência pelo Papa Paulo VI

Por determinação eclesiástica, permanece afastado de sua Fundação de 1951 a 1965. Em obediência à Igreja, aceita seu exílio como uma forma especial de imitação a Jesus. Jamais diz algo negativo contra a hierarquia eclesiástica, que ainda não compreende seu modo de pensar e seu método pedagógico.

Amadurecido pela cruz, torna-se pai para muitos. Anuncia e vive a confiança heróica no poder de Maria e no amor misericordioso de Deus Pai. Sua vida é um serviço à Igreja que tanto amou.

No encerramento do Concílio Vaticano II, Padre Kentenich é recebido em audiência pelo Papa Paulo VI. O Papa manifesta a ele e a Obra por ele fundada seu reconhecimento. Pe. Kentenich coloca, mais uma vez, sua Fundação inteiramente ao dispor da Igreja e continua servindo-a de modo humilde, obediente e fiel.

Retorno à casa do Pai

Em 15 de setembro de 1968, festa de Nossa Senhora das Dores, logo após celebrar a Santa Missa, na Igreja da Santíssima Trindade, no Monte Schoenstatt, devolve sua vida a Deus. Falece em fama de santidade.

O processo pela sua canonização inicia-se no dia 10 de fevereiro de 1975 e são milhares os que a ele recorrem alcançando auxílio em suas necessidades.

A seu respeito, o Papa João Paulo II diz à Família de Schoenstatt, na celebração do centenário do Fundador: “Uma sincera devoção a Maria faz crescer um frutífero amor à Igreja. A vida de vosso Fundador é testemunha desta verdade”. (20.9.1985)

Referências Bibliográficas:

Schoenstatt. Irmãs de Maria de, Novena da Mãe, Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt, 2001, 99º ed., Berto Artes Gráficas.

Para quem deseja aprofundar seu conhecimento:

MONNERJAHN. Engelbert, P. José Kentenich Uma vida pela Igreja, Ed Pallotti

NAILIS. M. Annette, Padre Kentenich como nós o conhecemos, Ed. Pallotti

URIBURU. Esteban J., Um Profeta de Maria, Ed. Pallotti

Podem ser adquiridos nos diversos Centros do Movimento Apostólico de Schoenstatt.

Comunicação do Santuário

Redes sociais

  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube ícone social